MENU It's me: Mário!

O que e UX

Afinal… o que é UX (User Experience)?

Teorizando 01 de fevereiro de 2015 12 comentários
Teorizando
  • 01 - 02 - 15
  •        
  • 12

E ae pessoal!
Tudo bem com vocês? Aqui meu notebook resolveu dar problema e é por isso que estamos sem posts novos há algum tempo… mas vamos lá!

Hoje vou falar um pouco sobre UX (User Experience) ou Experiência do Usuário, em português.
Sim. Sim. Eu sei que há material quase infinito sobre o assunto, mas decidi escrever esse post principalmente para quem está acompanhando o Curso de Android dar uma lida antes da Aula sobre UI (User Interface).

Introdução

Falando de forma simples, UX é como você se sente ao usar algo. Simples. É isso. Fim.

Maaaaaaas… a vida é uma caixinha de surpresas e não ficamos só nisso. O conceito é simples, mas a gama de trabalho que ele gera é imensa. Incluindo (principalmente) a etapa de planejamento.

Mas antes de aprofundar no assunto, vamos ver esse vídeo sobre UX focada no desenvolvimento mobile. Ele foi criado pela minha amiga mexicana (que também é Embaixadora do Google) Nargore Vidan e legendado por mim :D

Por que deixar meu usuário feliz?

Se o seu projeto tem apenas seu usuário como cliente, então essa pergunta tem uma resposta óbvia: porque é lógico que você quer que seu usuário goste do seu produto. Complica um pouquinho mais se o seu projeto tiver mais clientes, por exemplo, um Portal de notícias, que tem o leitor (usuário) e o anunciante como clientes. Temos que pensar nos dois: em deixar o usuário feliz, mas mesmo assim apresentar publicidades do meu anunciante (e sabemos como usuários não gostam de publicidade).

Um usuário/leitor feliz retorna ao seu site, serviço ou app e melhor que isso: indica para os amigos.

Mas como?

Imagine que você foi a um restaurante.
A cozinha pode ser uma bagunça, não? Desde que seja limpa e que não cause problemas (na verdade, você nem se pergunta como ela é).
Mas e sobre a decoração, o atendimento, o sabor da comida, iluminação, sons do ambiente e tudo o que você sente ao estar lá? Se não for impecável você não volta, né? E ainda fala para os amigos “que aquele restaurante é uma droga”.

Pois é… se voltarmos para a TI, o back-end do site pode ser desorganizado, o front-end pode não seguir as boas práticas, mas se isso não impedir o funcionamento, não acabar com a performance e não causar nenhum mal ao usuário, ele não se importa.

Mas um ícone fora do lugar, uma fonte pequena demais ou cores que prejudicam a visão podem fazer você perder o usuário.

Então preste atenção aos detalhes.

E o que eu (desenvolvedor) tenho a ver com isso?

Tudo! UX não é coisa só de designer!!!

Áreas da UX

Na imagem acima podemos ver o que influencia a experiência do usuário. Muita coisa, né? Pois é! Desde o cara que vai gerar conteúdo até a forma que você escreveu o código (mais performático ou não).

Ainda não está convencido?

A empresa Micro Focus, especializada em soluções para teste, modernização e gerenciamento de aplicações, fez uma análise nos sites de e-commerce ao redor do mundo e três pontos da conclusão chamam muito a atenção, nesse nosso assunto:

  • Após 3 segundos de carregamento de uma página online, mais de 40% dos usuários abandonam o site.
  • Quando acessam as páginas de dispositivos móveis, 74% dos usuários abandonam o site após só 5 segundos esperando pelo carregamento do mesmo
  • Depois que os clientes deixam uma página, é muito difícil conquistá-los de volta. 88% dos clientes online estão menos abertos a retornar a um site depois de uma experiência ruim.

A falta de cuidado com a UX pode fazer você perder dinheiro!!!

OK… OK… e na prática

Uma dica que eu dou é sempre pensar como usuário. Tire um tempo do planejamento para imaginar que está utilizando o seu produto:

  • Tudo funcionou bem?
  • As cores te agradam?
  • Você consegue ler tudo sem problemas?
  • A velocidade está legal? Travou alguma hora?
  • Achou o que procuro facilmente?
  • Alguma coisa é nova ou diferente do padrão?

(Não esqueça de pedir para os amigos e parentes darem uma olhada também.)
Parece óbvio, mas muita gente esquece que alguém vai usar aquilo que está fazendo.

Abaixo eu listei algumas coisas que você deve se preocupar:

Funcionalidade

Se algo não funcionar, a experiência do usuário já está comprometida.
Você perde a confiança do seu usuário e as vezes mais que isso! Se o seu formulário de contato não enviar e-mails você pode perder um contato super importante.

Performance

Vivemos num mundo veloz. Ninguém quer esperar por nada, pois um minuto perdido é um minuto que poderia ser usado para outras coisas (e temos tanta coisa pra fazer!). Sendo assim, a experiência do usuário vai lá pra baixo se o seu site leva 15 segundos para abrir…

Quer um exemplo? O Internet Explorer. O navegador da Microsoft (as versões antigas, principalmente) sempre foram exemplo de lerdeza e falhas. Por isso se tornou motivo de piada e ninguém quer seu produto lembrado desse jeito, né?

Naturalidade

O usuário tem que sentir em casa.

Inovar é sempre muito legal mas aquele ícone de menu que você usa… o usuário vai saber o que é? Tem certeza? Quer ver um exemplo? Você sabe o que é um disquete? Se você tiver menos de 18 anos talvez a resposta seja não.

icon save Mas você sabe que se clicar no ícone ao lado você vai salvar seu trabalho, né?

O disquete caiu em desuso faz tempo, mas o ícone continua sendo usado, porque é natural para todo mundo que aquele ícone serve para isso. A mesma coisa para as setinhas que formam um círculo e servem para recarregar algum conteúdo ou então para o X que fecha alguma coisa.

Tipografia

Nada é mais irritante para um leitor do que ter que se esforçar para ler algo de seu interesse.
Se você está construindo um Portal de notícias, por exemplo, o seu usuário terá muita coisa para ler e uma letra pequena, cores ofuscantes ou uma fonte de difícil leitura pode fazê-lo desistir e procurar no Google pelo conteúdo em outro lugar melhor.

Então devo contratar alguém?

Pra mim, não existe o profissional de UX (ou UXer, como já li por aí). Sinceramente, creio que UX é uma disciplina, uma área de estudo ou uma habilidade, mas não uma profissão, ou seja, procure profissionais que possuam esse diferencial e esse estudo. Vale a pena!

Claro que, se o seu projeto ou sua empresa possuir capital para contratar alguém especificamente para esse estudo, talvez seja legal contratar alguém para ficar sentando a paulada no resto da equipe. Brincadeiras a parte, esse profissional conduziria com mais foco os estudos de UX e orientaria o resto da equipe, o que é interessante. Mas novamente: toda a equipe deve planejar, desenvolver e divulgar (sim! incluo a galera do marketing nessa) pensando no usuário (ou seja, pensando em UX).

Um exemplo disso são grandes empresas como Globo, UOL e o Google, que possuem equipes voltadas à esse estudo (viu a importância da coisa?). O UX designer seria então esse cara.
(Créditos à Maria Fernandes por essa última informação.)

Conclusão

Por fim, a experiência do usuário é algo muito importante: ela é quem dita se ele vai continuar sendo seu usuário ou se vai parar de usar e se vai indicar para os amigos ou sair falando mal. E toda a equipe é responsável por ela.

Espero que tenham gostado! Divulguem para os amigos, compartilhem, comentem e façam um DEV feliz.

Até a próxima!

Por favor, considere desativar o AdBlock

Não perca nenhuma novidade, assinando nossa newsletter!



Não se preoculpe, não enviaremos muitos e-mails, nem mostraremos seu e-mail para ninguém. Dúvidas?


Deixe seu comentário! Dúvida sobre como comentar
ou vai postar código? Leia antes.

  • Renato Mendes Rocha

    Muito bom Mário. Lembrei daquela apresentação no treinamento do GSA sobre pesquisa conduzida na Google a respeito da diferença do número de downloads do software do Google Earth considerando variações na palavra usada no botão de download. Seria isso um exemplo de UX, certo?

    • Sim! A experiência que o usuário tinha com o outro tipo de botão não gerava tanta conversão (que no caso seria a “vontade de realizar o download”). Ao se alterar a palavra, alterou-se a experiência e consequentemente o número de downloads.

  • Pingback: Calma! Ainda não é o Apocalipse Mobile… | It's me: Mário!()

  • bruno souza

    parabens pelo artico, só corrija quando vc diz “talvez sea legal” faltou o “J” =D, mas ficou muito bomparabens

    • Não, maaaan… é “sea” de “mar” mesmo.
      #brinks… valeu pelo toque. arrumei.

  • Karina Tronkos

    Adorei o post, me ajudou muito!!! Muito obrigada! (:

  • Wesley Faria Passos

    Show, quero me especializar nisso, minha empresa esta precisando muito disso.

    Tem algum curso para poder me indicar?

    • Infelizmente nem tenho. Mas o mais importante é justamente isso: “UX é como seu usuário se sente ao usar seu produto”. Com isso você vai pegando o resto e claro que ainda tem muito mais, mas basicamente são tecnicas e conteúdos pra se chegar nessa premissa.

    • Luis Felipe

      Wesley, procura por “UX Academy” no Google, que lá tem um curso online de UX.

  • Marcio Soethe

    Realmente muito bom agora entendi.